Empreendedorismo feminino: Startups fundadas por mulheres geram mais lucro a longo prazo

Pesquisas revelam que startups femininas rendem 10% mais. No dia nacional da mulher, reforçamos a grandeza do empreendedorismo feminino em nosso artigo.

Empreendedorismo feminino: Startups fundadas por mulheres geram mais lucro a longo prazo

Há muitos anos as mulheres vêm lutando em busca de igualdade social. No mercado de trabalho brasileiro, por exemplo, apesar do maior nível de escolaridade e de desempenhar as mesmas funções que os homens, as mulheres ainda recebem salários inferiores.

Apesar desse quadro e de todos os preconceitos e dificuldades enfrentadas pelas mulheres, cada vez mais elas têm assumido posições de destaque no mercado de trabalho. Nesse sentido, um movimento que vem ganhando destaque e bastante força é o empreendedorismo feminino.

Empreendedorismo feminino: Entenda mais sobre o assunto

O empreendedorismo feminino pode ser considerado como qualquer ação empreendedora que é realizada especialmente por mulheres.

Quando falamos de empreendedorismo, muitas vezes nos limitamos às empresas e projetos, mas é importante compreender que o empreendedorismo feminino vai muito além disso. Afinal, mais do que ter o próprio negócio e lucrar com ele, o empreendedorismo feminino dá mais espaço e visibilidade para tratarmos sobre questões de gênero e demais questões relacionadas ao universo feminino.

Antigamente, muitas mulheres deixavam para trás o sonho de empreender por acharem que deviam usar seu dinheiro em gastos relacionados à família. Esse pensamento era causado pela atribuição de dona de casa às mulheres, algo que até hoje está presente em nossa cultura. Porém, esse cenário vem mudando nos últimos anos.

De acordo com uma pesquisa realizada pela RME (Rede Mulher Empreendedora),85% das mulheres já são empreendedoras e 15% pensam em empreender.

Alguns estudos revelam que, quando as mulheres empreendem, além de buscarem por lucro, fazem isso para terem satisfação pessoal e, principalmente, para que possam trazer algo de bom para o mundo.

Empreendedorismo feminino no mercado de trabalho

De acordo com a Organização Internacional do Trabalho (OIT), as mulheres ocupam apenas 48,5% do mercado de trabalho mundial.

“Apesar dos avanços conquistados e dos compromissos assumidos para continuar progredindo, as perspectivas das mulheres no mundo do trabalho ainda estão longe de ser iguais às dos homens”, disse a diretora-geral adjunta de políticas da OIT, Deborah Greenfield.

Até hoje, o sexo masculino ocupa a maioria das posições de liderança corporativa no mundo.  Apesar do cenário complexo e desigual, o empreendedorismo feminino tem lutado para conseguir seu espaço. Dessa forma, as mulheres provam que podem ser presidentes tão eficientes quanto os homens, ou até mais.

Para o vice-presidente sênior e diretor geral da Dell, Luis Gonçalves, o empreendedorismo feminino irá fortalecer a economia, sendo fundamental que todos tomem ciência e participem do processo, dialogando e direcionando recursos para as mulheres que estão abrindo novos negócios.

Um estudo sobre“Perspectivas Sociais e de Emprego no Mundo – Tendências para Mulheres 2017”, realizado pela OIT, revelou que o aumento da presença feminina no mercado de trabalho poderia injetar R$ 382 bilhões na economia brasileira.

Outra pesquisa realizada em setembro de 2018 pela consultoria McKinsey, sinalizou ainda que empresas que possuem mulheres na liderança têm 21% a mais de chance de ter desempenho financeiro acima da média.

A Pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM) em parceria com o Sebrae mostrou também que a taxa de sucesso do empreendedorismo feminino de empresas com até três anos e meio de existência ficou em 15,4% frente aos 12,6% entre os homens.  

Disparidade no ambiente corporativo

É comprovado que startups fundadas por mulheres recebem muito menos investimento que as criadas por homens. Ainda assim, um estudo da The Boston Consulting Group (BCG) observou que as empresas com fundadoras do sexo feminino geram maior receita a longo prazo, apesar do baixo investimento inicial.

Logo, você deve estar se perguntando, o porquê dessas empresas não conseguirem levantar investimento inicial similar às empresas fundadas por alguém do sexo masculino.

Segundo o estudo do BCG, empreendedoras do sexo feminino são mais questionadas se têm o conhecimento técnico básico para liderar o negócio. Além disso, os investidores presumem que essas empreendedoras não possuem tal conhecimento.

Outro fator é que as mulheres são mais conservadoras comparadas aos homens na hora de realizarem projeções. A falta de familiaridade dos investidores com os segmentos em que algumas mulheres atuam, como por exemplo, moda e beleza, acaba por prejudicar a obtenção do investimento inicial e demais recursos.

Os dados acima nos mostram que, apesar de ter conquistado muito de seus direitos e ter tanto ou mais potencial que os homens, as mulheres ainda têm uma longa trajetória pela frente.

É fundamental que a força e a garra feminina não se percam e que, cada vez mais, o empreendedorismo feminino ganhe destaque no mundo.

 

Esperamos que tenha aproveitado a leitura!

Quer saber mais sobre empreendedorismo feminino e como usar o poder do digital para alavancar a sua imagem? Fique à vontade para falar com a Aporama nas redes sociais: Instagram, Facebook e Linkedin.

Para mais dicas sobre empreendedorismo, marketing e negócios, acompanhe nosso blog (toda semana tem post novo!). Veja também nosso conteúdo no Instagram, Facebook e Linkedin. Você pode também assinar nosso feed de notícias para ler com seu leitor preferido. Se preferir receber as notícias direto na sua caixa de e-mails, é só assinar nossa newsletter.

Artigos Relacionados